Novas receitas

Ratatouille rápido, arroz com açafrão e bife

Ratatouille rápido, arroz com açafrão e bife

Corte a abobrinha em 2, no sentido do comprimento e depois em rodelas. Corte a berinjela. Coloque em uma grelha quente.

Ferva o arroz em água com sal, açafrão, limão, azeite e sal coberto com uma tampa, em fogo baixo.

Pique os pimentos e as cebolas e frite numa frigideira com uma colher de chá de azeite em que os pedaços de anchova foram conservados juntamente com a harissa, o alho fatiado e os pedaços de anchova.

Retire a abobrinha e a berinjela em uma tábua de cortar e pique em pedaços grandes, depois adicione à panela com o purê de batatas e o vinagre e cubra com uma tampa.

Cubra o bife com sal, pimenta e colorau e coloque na grelha quente.

Pique a salsa e misture com a mostarda, o azeite, o sal, a pimenta e o suco de limão. Retire o bife e unte com a mistura obtida anteriormente e fatie.

Sirva o ratatouille misturado com folhas de manjericão junto com iogurte, arroz e fatias de bife.


10 receitas chinesas rápidas e fáceis para iniciantes

Muitas receitas chinesas são rápidas e fáceis de fazer. Alguns podem ser feitos com ingredientes que estão disponíveis na maioria dos supermercados locais, enquanto outros podem exigir uma viagem a um mercado asiático ou uma substituição rápida. A melhor parte é que eles são versáteis, então, se você não tiver um ingrediente, não precisa se preocupar muito.

O que torna uma receita fácil? Alguns, como batatas fritas, levam apenas alguns minutos para fazer. Outros, como sopas e ensopados, exigem mais tempo, mas ainda são apenas alguns passos simples. Isso deixa você bastante tempo livre enquanto a comida está fervendo.

Quer você seja novo na culinária chinesa ou apenas esteja procurando uma receita que não requeira muito tempo na cozinha, você encontrará essas receitas uma brisa.

Comece com o arroz básico

Um dos primeiros pratos que qualquer pessoa interessada na culinária chinesa deve aprender é o arroz frito. Esta é a base de muitas receitas e proporcionará a você experiência com wok ou cozimento rápido na frigideira.

O arroz cozido é extremamente simples e leva apenas alguns minutos depois de preparado. Esta receita requer cebolinha, ovos, sal e pimenta e molho de soja ou ostra. Você pode adicionar carne e outros vegetais se quiser e transformar este prato em uma refeição rápida.

Molho de Ostra De Frango Rápido e Fácil

Ao explorar as receitas chinesas, você notará que o molho de ostra é um ingrediente comum. Você pode encontrar este produto em quase qualquer mercado especializado em comida asiática e uma garrafa dura muito tempo.

A receita de frango com molho de ostra é uma introdução fantástica a esse ingrediente essencial. É uma receita rápida que cozinha coxas de frango e vegetais básicos em uma panela. Eles são misturados em molho de ostra e molho de soja, vinho e caldo e tudo é servido com arroz. Leva apenas 30 minutos e uma única frigideira, por isso é perfeito para uma noite agitada.

Um bife de frango com molho de molho

O frango aparece em vários pratos chineses, e o bife pode substituí-lo em muitos. Para uma receita especial de bife, que é super fácil, é só procurar Pepper Steak.

Para esta receita, você irá ferver a carne por cerca de 30 minutos em um caldo de soja antes de adicionar pimentão e tomate. Adicione um pouco de amido de milho, um pouco de alho e milho e deixe esfriar até obter uma consistência de molho. É fantástico e impressionante, mas ninguém vai perceber o pouco esforço que você faz.

Sua dica básica de carne mexida

Fritar é uma técnica básica usada em muitas receitas chinesas. É muito leve e basicamente significa que você fritará rapidamente os alimentos em óleo. Existem, é claro, algumas dicas que você deve saber, mas logo farão sentido.

Antes de se preocupar com uma receita de carne bovina com muitos ingredientes, você pode praticar com uma receita incrivelmente fácil. Se você começar com um molho de tomate como Kikkoman e uma mistura de vegetais congelados, metade do trabalho é feito para você. Ele libera você para se concentrar na técnica, em vez de nos ingredientes. É tão saboroso e um pouco mais rápido.

Delicioso porco frito com laranja

Você pode alterar a carne em quase todas as receitas chinesas de refogado e funcionará. Se você não tem frango para uma receita como Laranja Frango Frito, fique à vontade para usar carne de vaca, porco, camarão ou até mesmo tofu.

Quando se trata de carne de porco, a costeleta é uma ótima pedida. Ele é facilmente cortado em cubos de comida e fica muito bom em um molho de laranja. Para esta receita de fritar, você marinará a carne de porco e criará um molho de soja e suco de laranja. Adicione alguns vegetais e um pouco de óleo e amido e você está pronto para preparar um prato incrível.

O frango favorito de Kung Pao

Você provavelmente já pediu frango Kung Pao inúmeras vezes no restaurante chinês e é um prato saboroso com um toque picante. Você sabia que na verdade é muito fácil fazer em casa?

Se você armazenar na cozinha alguns ingredientes básicos encontrados em muitas receitas chinesas, economizará dinheiro evitando levá-los para fora. A chave para uma refeição rápida é preparar todos os ingredientes antes de iniciar a wok.

O outro benefício da receita do Kung Pao é que o frango não é frito. Mexa em vez de fritar e deixe o prato um pouco mais saudável.

Um vapor para iniciantes: frango cantonês cozido no vapor

O vapor é outro método popular para preparar comida chinesa e cria um prato saudável e limpo. É aqui que aqueles vasos redondos de bambu podem ser realmente úteis. Se você ainda não tem um, esta receita é uma boa desculpa para adicionar um à sua cozinha.

Esta receita de frango cozido no vapor aromático cantonês é incrivelmente fácil de fazer. Você simplesmente carregará o frango marinado em uma mistura de soja, vinho e óleo de gergelim e, em seguida, coloque-o na bandeja de vapor com cogumelos. Adicione um pouco de gengibre e cebolinha e deixe cozinhar por cerca de 20 minutos. É fantástico com aquele arroz frito que você aprendeu a fazer!

Que tal alguns vegetais Chow Mein?

É extremamente fácil transformar a comida chinesa em uma delícia vegetariana. Muitas vezes, basta pular a carne, adicionar mais vegetais ou até mesmo jogar o tofu (mexer é uma das melhores formas de se preparar).

Quando você estiver pronto para experimentar um prato de macarrão de vegetais usando seus novos conhecimentos, este Vegetable Chow Mein é uma delícia. Use pimentão, cebola, abobrinha, cogumelos shiitake, gengibre e alho com molho de ostra e molho de soja, vinagre de arroz e óleo de gergelim. Frita rapidamente e o sabor vai impressionar a todos.

Experimente a diversão do Chow Chicken

Ho fun é um macarrão de arroz largo muito usado na culinária cantonesa e você pode reconhecê-lo pelos menus para viagem. Ele adiciona profundidade à comida, o macarrão mais fino e o arroz simplesmente não podem trazer.

Para começar seus experimentos com macarrão, comece com uma receita básica Beef Chow Fun. Pode não ser tão autêntico quanto os outros, mas todos os sabores estão lá e é uma introdução perfeita ao modo como são os brotos de feijão mungo.

Bolinhos saborosos de frango mongol

As receitas de frango e carne da Mongólia são semelhantes a outras receitas, sendo a principal diferença a adição de molho de frango. Às vezes é chamado de molho de churrasco chinês, embora não tenha o mesmo gosto da versão americana. Hoisin é um molho picante de pasta de soja e é um ótimo complemento para a culinária chinesa, pois pode ser usado tanto para mergulhar quanto para misturar.

Esta receita de frango da Mongólia é um fast food que usa molho de frango, soja e vinagre de vinho tinto com frango. É tão fácil quanto qualquer outra receita, apenas um pouco diferente e divertida de fazer e comer. Você descobrirá que é excelente quando servido com macarrão de soja.



Esta receita tailandesa contém molho vermelho tailandês que é uma combinação de leite de coco, ervas, curry e massa vermelha levemente picante, muito apreciada pelos amantes da comida asiática. O arroz vermelho de grão longo é cultivado na Tailândia e na Índia e é tão rico em magnésio, selênio e fibra alimentar quanto o arroz preto.


Lave a carne em água fria, limpe-a com um pano de prato e corte-a em cubos ou tiras finas. É "massageado" com os ingredientes da marinada e depois guardado no frigorífico até estar pronto (de preferência pelo menos uma hora). Corte a cebola em juliennes, retire a fibra branca dos pimentos (para dar aspecto) e corte em pedaços adequados. As cenouras descascadas são cortadas em fatias longas e finas, talos de aipo (eu corto com um formato especial) e alho picado ou fatias. Aqueça uma wok, depois o azeite e aqueça a carne por cerca de 3-4 minutos até que mude de cor. Reserve a carne e lave a assadeira de legumes. Aqueça na seguinte ordem: alho, cebola, cenoura, aipo e finalmente picado de pimenta e gengibre. Junte a carne, o grão de mostarda, o molho de peixe e por último o molho de curry. Mexa para evitar que grude até o molho cair e grudar. O arroz é preparado separadamente. O tempo de cozimento varia, 25 minutos para o branco, 30-35 para o preto e 30 para o vermelho. Para um gosto melhor, pode-se usar caldo de carne em vez de água, mas mudará a cor do arroz e não haverá mais contraste entre as cores. O arroz branco é colocado em 2 copos de água fervente (o mesmo copo com que o arroz foi medido), misturado duas vezes nele e coberto com uma folha de alumínio bem selada na borda. Tampe e abaixe o fogo. Deixe agir por 15 minutos após a hora, desligue o fogo, retire a tampa e deixe o papel alumínio por mais 10 minutos quando for retirado. Eu uso esse método para pegar o arroz "dente" e fervê-lo grão por grão. Ferva o arroz preto da mesma forma, em 2 e 1/4 medidas de água por 20 minutos com uma tampa e depois deixe com o papel alumínio por mais 10 minutos. Ferva o arroz vermelho em água da mesma forma com um pó de açafrão ou cardamomo. (Não respeitei o tempo de cozimento de 40 minutos e 4 quantidades de água conforme estava escrito na embalagem e fiz bem) Enquanto o arroz estiver quente, encha algumas tigelas que foram enxaguadas com água fria. Coloque o arroz em quantidades iguais de dois dedos: vermelho, peixe, branco e preto por cima.

Quando esfriar completamente, vire a tigela sobre um prato com um movimento brusco. Sirva com carne. Quem quiser pode adicionar molho de soja. Bom apetite!


Método de preparação

Para o molho, combine todos os ingredientes e deixe na geladeira até preparar a salada.

Descasque e corte as batatas assadas, descasque a cebola roxa e corte em rodelas, assim como a cebolinha e o pepino.

Em uma tigela grande, misture as ervilhas, as batatas, as cebolas, os pepinos, as nozes picadas grosseiramente, a rúcula e o molho. Em seguida, adicione as fatias de suco inteiras ou cortadas ao meio.


Propriedades e benefícios do açafrão & # 8211. Como consumir o açafrão, planta também chamada de "ouro vermelho"

O açafrão é uma das plantas medicinais mais apreciadas devido às suas propriedades aromáticas e nutricionais. É usado tanto para fins medicinais como na indústria alimentar porque tem vários benefícios valiosos para o corpo. Descubra quais são as propriedades que possui, mas também como se recomenda o consumo do açafrão.

A origem da planta não é clara, mas supostamente apareceu pela primeira vez no Oriente Médio, depois se espalhou rapidamente pela Europa, e hoje faz parte da lista das especiarias, condimentos e aromáticos mais usados ervas na Romênia. Apenas os estigmas, que representam a parte superior do pistilo, são utilizados para fins terapêuticos a partir do açafrão e, para se obter cerca de 500 gramas de açafrão seco, são necessários cerca de 2,5 kg de estigmas frescos.

Observação: as informações neste artigo não substituem o conselho de um especialista. Recomendamos que você consulte seu médico e siga suas instruções antes de tentar qualquer tratamento.


Informação nutricional

  • Kcals 506
  • Gordinho 27,3 g
  • saturar 17,1 g
  • Carboidratos 43 g
  • Açúcares 1,9 g
  • Fibra 2,1 g
  • Proteína 17,7 g
  • Sal 2,5 g

Restos de frutas de verão

Aspargos, queijo de cabra e amor

Parmesão e alho defumado

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Páginas

Visão geral de privacidade

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para o funcionamento adequado do site. Esses cookies garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site, de forma anônima.

COZINHARDuraçãoDescrição
cookielawinfo-checbox-analytics11 mesesEste cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent. O cookie é usado para armazenar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Analytics".
cookielawinfo-checbox-analytics11 mesesEste cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent. O cookie é usado para armazenar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Analytics".
cookielawinfo-checbox-funcional11 mesesO cookie é definido pelo consentimento do cookie GDPR para registrar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Funcional".
cookielawinfo-checbox-others11 mesesEste cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent. O cookie é usado para armazenar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Outros.
cookielawinfo-checbox-others11 mesesEste cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent. O cookie é usado para armazenar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Outros.
cookielawinfo-checkbox-needed11 mesesEste cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent. Os cookies são usados ​​para armazenar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Necessário".
cookielawinfo-checkbox-performance11 mesesEste cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent. O cookie é usado para armazenar o consentimento do usuário para os cookies na categoria "Desempenho".
visualizado_cookie_policy11 mesesO cookie é definido pelo plug-in GDPR Cookie Consent e é usado para armazenar se o usuário consentiu ou não com o uso de cookies. Não armazena nenhum dado pessoal.

Os cookies funcionais ajudam a realizar certas funcionalidades, como compartilhar o conteúdo do site em plataformas de mídia social, coletar feedbacks e outros recursos de terceiros.

Os cookies de desempenho são usados ​​para entender e analisar os principais índices de desempenho do site, o que ajuda a fornecer uma melhor experiência do usuário para os visitantes.

Cookies analíticos são usados ​​para entender como os visitantes interagem com o site. Esses cookies ajudam a fornecer informações sobre as métricas do número de visitantes, taxa de rejeição, origem do tráfego, etc.

Os cookies de publicidade são usados ​​para fornecer aos visitantes anúncios e campanhas de marketing relevantes. Esses cookies rastreiam visitantes em sites e coletam informações para fornecer anúncios personalizados.

Outros cookies não categorizados são aqueles que estão sendo analisados ​​e ainda não foram classificados em uma categoria.


Um centro gastronômico único na Romênia

O chef Joseph Hadad, artista-criador de um universo culinário inconfundível, vai realizar um novo sonho até o final de 2020: a criação de um polo gastronômico composto por três restaurantes, localizado no coração de Bucareste.

Esta primavera foi um desafio para Chef Hadad, mas foi também um período em que continuou a estar presente perante o público através das receitas transmitidas pelo canal IGTV, directamente de casa. Ao mesmo tempo, o serviço de entrega da cervejaria começou a operar com sucesso caju e catering para eventos, que terá continuidade nos próximos meses. Mas tal período também exige decisões de longo prazo, e o Chef Hadad, com a ousadia que o caracteriza, tomou uma decisão estratégica de negócios: a criação de um pólo culinário composto por três restaurantes, na Rua Nicolae Golescu, no coração de Bucareste.

O primeiro é a brasserie CAJU por Joseph Hadad, que apresentará o mesmo estilo de jantar casual que permite ao chef Hadad oferecer aos hóspedes pratos que lembram os sabores de sua infância, com fortes influências norte-africanas.

O segundo restaurante será JOSEPH por Joseph Hadad, que se moverá perto caju. As obras de paisagismo são extremamente complexas e requerem vários meses de trabalho antes do lançamento. Quando o fundou, em homenagem à paixão de toda a sua vida, Joseph Hadad sonhava que o restaurante que leva o seu nome se tornasse o universo de uma revolução gastronômica na Romênia, aquele lugar especial, esperado e desejado em Bucareste. Por 7 anos, JOSEPH aliou o culto à gastronomia gourmet à necessidade de estar em um espaço confortável, acolhedor e requintado com serviços de primeira linha. Todos esses elementos serão encontrados no novo JOSEPH, que o Chef Hadad vai inaugurar no final do ano.

E o terceiro restaurante estará localizado a 50 metros do CAJU e tem um conceito que combina muito bem a ideia de um bar com mesa. Em breve seremos capazes de revelar mais sobre o conceito do projeto mais recente, MACE por Joseph Hadad, que podemos dizer de momento que terá fortes influências marroquinas. Claro, haverá pratos únicos, muito perfumados e de nicho, além de outros pratos de inspiração marroquina. A inauguração do restaurante ocorrerá em agosto deste ano.

O chef Joseph Hadad acredita fortemente na magia dos mimos culinários e constantemente experimenta misturas de sabores, inova receitas e faz pratos exclusivos que não podem ser apreciados em nenhum outro lugar da Romênia. No pólo gastronómico que irá criar, qualquer refeição será uma experiência em si, como um ritual gastronómico personalizado para cada cliente. O mundo de Joseph Hadad é uma fusão de sabores, sabores e sabores, prontos para desfrutar até dos gourmets mais exigentes. (Comunicado à imprensa & # 8211 de julho de 2020)

Chef Joseph Hadad ele é certamente um dos Chefs com mais títulos na Romênia. Começou a cozinhar em 1975, quando tinha apenas 15 anos e era aluno da escola perfil de Haifa (Israel), famosa escola, que durou 3 anos, mas com uma formação muito intensa. Este foi também um teste real que ele fez porque muitos de seus colegas não conseguiram acompanhar e desistiram no meio do caminho (dos mais de 35 alunos matriculados inicialmente, apenas 14 se formaram). Em Israel, o Chef Joseph Hadad foi Chef Executivo do King David, o lugar onde algumas das maiores personalidades do mundo jantaram: George Bush, Bill Clinton, Rei Juan Carlos, François Mitterrand, M. Gorbachev, Michael Jackson, Madonna e outros.

Na Roménia, Chef Joseph Hadad é de 1996. O primeiro local onde trabalhou foi a Casa Vernescu, onde trabalhou na cozinha francesa clássica, mas nessa altura enfrentava uma carência bastante importante de matérias-primas de boa qualidade para este tipo de cozinha. Após 15 anos na Casa Vernescu, Chef Joseph Hadad colaborou com a Antena 1, onde foi um dos jurados do programa de culinária Top Chef, durante duas temporadas.

Posteriormente, em 2013 ele abriu o restaurante Joseph by Joseph Hadad, e por cerca de um ano ele abriu seu segundo restaurante, Caju por Joseph Hadad, uma cervejaria com cozinha internacional, localizada atrás do Ateneu Romeno.

Restocracia: Onde ou com quem você aprendeu as coisas mais importantes que sabe sobre cozinhar e cozinhar?

Chef Jospeph Hadad: Em primeiro lugar, dos meus pais. Meu pai também era cozinheiro e eu sempre fiquei ao lado dele, mas com minha mãe pude aprender a preparar comida caseira, comida tradicional, porque no passado não havia comida requintada em Israel. Quando me matriculei na escola profissionalizante, conheci alguns grandes Chefs, que trabalhavam em navios de cruzeiro.

No primeiro ano da escola era feita apenas a parte teórica, onde a gente tinha que escrever muita coisa e escrever muito, porque não havia computador naquela época. Mas era uma vida tranquila, sem telefones, sem preocupações e dores de cabeça como hoje! Tive que anotar todas as informações à mão e isso me ajudou a lembrá-las muito rapidamente. Depois, nos outros dois anos, fui praticar dois dias por semana nos grandes hotéis de Haifa, Jerusalém ou Netanya. Lá eu fiz o trabalho mais baixo: limpar, lavar pratos, limpar vegetais, etc. E eu vi facilmente como eles funcionavam nesses restaurantes.

Costumava ser gourmet ou em placas, mas o que acontece em 2017 é muito mais duvidoso. Mas tudo que faço e tento é fazer comida clássica, como costumava ser em um restaurante com estrela Michelin na França ou em Nova York. Agora há muitos ingredientes no prato, e o homem não sabe o que comer. Não trabalho com muitos ingredientes, mas prefiro usar vegetais frescos, raízes da estação s.a.m.d.

Restocracia: por quanto tempo você acha que alguém pode se tornar um ótimo cozinheiro?

Chef Jospeph Hadad: Não tem receita, depende da pessoa! Hoje os jovens (entre 18 e 22 anos) são muito espertos, ao contrário do nosso tempo, porque estão muito informados com a internet. Eles podem aprender a fazer chapeamento, mas não a saborear! Você pode ser um bom chef depois de 6 a 7 anos, mas para ser um grande chef, para ter um bom restaurante, você precisa de mais de 10 a 12 anos de experiência, pelo menos. Você também deve conhecer a parte de confeitaria e padaria, e ter uma visão, para ser um professor para os outros, para liderar a equipe com a qual você trabalha.

Muitos jovens chegam aos 22-23 anos com muitos diplomas e dizem que têm experiência, mas não conseguem trabalhar em equipe e não conseguem se adaptar a uma equipe para serem eficazes.

Restocracia: Com que tipo de carne você mais gosta de cozinhar?

Chef Jospeph Hadad: Eu gosto mais do pardal cordeiro. Tem uma forma com a qual posso brincar muito, mas também é muito saborosa. Aqui, na Romênia, não é tão conhecido e não é trabalhado. Todo mundo prefere damasco, carne ou costeleta. Mas há muitos tipos de carne que não são muito trabalhados, como o "açougueiro" (Anglaise). Na França é muito caro, mas aqui não é consumido. E se você não sabe cozinhar direito, é muito perigoso porque tem que sair médio, meio passado, senão fica como um pedaço de sapato.

Restocracia: Com que tipo de peixe você mais gosta de cozinhar?

Chef Jospeph Hadad: Acima de tudo, gosto de cozinhar com Barbun pelo seu sabor incomparável. Para os pescadores israelenses, esse tipo de peixe é conhecido como Sultan Ibrahim, e na Itália e em Portugal é chamado de Triglia.

Restocracia: Com que tipo de vegetais você mais gosta de cozinhar?

Chef Jospeph Hadad: Para mim, os vegetais são os mais apreciados. Em primeiro lugar estão as alcachofras e são os reis entre os vegetais, sendo também muito bons. Seu sabor não pode ser comparado a nada mais. São vegetais grandes, que chegam a 400 gramas por peça, mas com eles pode-se consumir de 70 a 80 gramas, após a limpeza.

É muito bom para peixe, para almôndegas, para costela, para frango, para praticamente qualquer tipo de preparo. O seu sabor enquadra-se muito bem como acompanhamento, mas também como preparação para um menu vegetariano.

Quando éramos estudantes, eles trouxeram pequenas alcachofras para o hotel e tivemos que esperar os 15 alunos limparem 2.000 pedaços de alcachofra em 8-9 horas. Então, eu passei por muito trabalho e muita paciência, e muito nervosismo para crescer profissionalmente.

Restocracia: Com que tipo de temperos e especiarias você mais gosta de cozinhar?

Chef Jospeph Hadad: São muitos e é uma pergunta difícil para mim, mas gosto de cozinhar com açafrão, anis, noz-moscada, canela um pouco para o leste. Em cada prato que faço, gosto de colocar algo que me lembre a vida que tive quando criança, em Israel.

Restocracia: Quais molhos você mais gosta e os que mais usa na cozinha, para a comida que prepara?

Chef Jospeph Hadad: Demi glace! Ele é a base da cozinha. O molho demiglace, se não for colocado no fogo por 13 horas, não dá um molho clássico. Quem respeita a cozinha deve fazer este molho fresco. Não há outro caminho!

Restocracia: Você também prepara sobremesas? Se sim, de qual você mais gosta?

Chef Jospeph Hadad: Sim! Pessoalmente, não gosto de doces porque foi assim que aprendi com meus pais quando era pequena. Se eu como sobremesa, deve estar muito boa se for com chocolate, deve estar com muito cacau e fortemente amargo, deve ser de qualidade!

Gosto de sorvete caseiro, como fazemos no restaurante Joseph, abacaxi ou sorvete de abacaxi ou sorvete de beterraba. Gosto deles porque são um pouco doces, mas também um pouco azedos. Eu não como muito chocolate, cerca de uma vez a cada dois meses.

Mas também provo sobremesas, mesmo quando vou para o estrangeiro, para ver o nível lá, gosto de sobremesas, mas não os consumo por inteiro, mas apenas por experiência.

Restocracia: O que você cozinha em casa nos dias normais? Mas quando você tem convidados importantes?

Chef Jospeph Hadad: Raramente recebemos convidados, mas, quando o fazemos, eles cozinham comida caseira. Posso fazer um frango cozido ou alcachofra recheada com vitela parisiense com molho de limão com açafrão. Mas são comida caseira. Eu não faço gourmets em casa! O que é gourmet? Para mim, qualquer prato é gourmet, mas depende de quem! Gourmet é algo que você adora! Isso é gourmet! Sarmales também podem ser servidos gourmet, mas depende de como são recebidos.

Em casa gosto de fazer arroz, macarrão com molho de tomate, com anchovas. Às vezes, junto com minha filha, fazemos uma lata de atum com azeite, tomate, pimentão, cebola, com um bom pão. Algo básico! Não fazemos bifes de foie gras em casa.

Restocracia: O que você mais gosta em cozinhar quando faz refeições especiais e importantes no restaurante?

Chef Jospeph Hadad: Em primeiro lugar, gosto de peixe cru, ceviche, gosto de cozinhar iscas (ris de vitela), um prato que ainda não é o preferido dos romenos, embora seja um prato muito conhecido mundialmente e muito caro. Na França, com estrela Michelin, um prato com arroz de vitela custa entre 45 e 60 euros a porção de 90 gramas. É um prato muito conhecido e gosto muito de o cozinhar.

Também gosto de preparar atum vermelho fresco, ceviche, lobo do mar selvagem para fazer sashimi com eles, gosto muito.

Restocracia: Alguém mais cozinha para você em sua família?

Chef Jospeph Hadad: Sim, minha filha, mas ela tem 12 anos e meio. Uma vez ele cozinhou panquecas para mim! Ela faz macarrão sozinha, com molho de tomate e outros, mas não cozinha o tempo todo.

Sabe, depois de 40 anos nessa profissão, você tem vontade de comer algumas coisas que não são simples, mas pobres! Um pedaço de azeite e alho, cebola, um queijo! Esta é a verdadeira comida!

Restocracia: Qual das culinárias do mundo você acha que é a melhor?

Chef Jospeph Hadad: Actualmente, a nível profissional, Barcelona (Espanha) é muito alta, com pratos muito bons e saborosos. Normalmente, nos restaurantes Michelin a comida parece muito boa, mas nem sempre fico satisfeito com o sabor. Por exemplo, ao trabalhar com gulia, deve ser feita uma preparação em que o sabor da gulia exista e se assemelhe muito ao gosto da gulia crua. Portanto, a diversão deve enfatizar isso. O gosto! Isto é muito importante!

Restocracia: Quais alimentos você mais gosta, o que você come quando vai a um restaurante em uma cidade ou país estrangeiro?

Chef Jospeph Hadad: Procuro peixe, mas também gastronomia local, quer se trate de comida de rua ou de restaurantes! Mas, obviamente, também vou a restaurantes finos com estrelas Michelin, uma ou duas. Nunca vou a 3 estrelas Michelin! Porque? Porque com 3 estrelas Michelin já estão indo na direção que desejam. Quando for uma ou duas estrelas, eles sempre lutarão para conseguir outra estrela. Já nas 3 estrelas um é para Chef, depois para vinho, sommelier, talheres e o resto do ambiente.

Para mim, não importa o que eu como, posso comer com talheres ou palito. Para mim, a comida é importante! Eu quero ver a arte de cozinhar. Se vejo um prato, percebo quantas pessoas trabalham na cozinha, sem saber de antemão!

Restocracia: Quais você acha que são os melhores fornecedores ou os melhores lugares para comprar produtos de cozinha atuais (carne, vegetais, peixe, etc.)?

Chef Jospeph Hadad: O mercado fornecedor evoluiu muito, mas não o suficiente para 2017. Não mantenho o padrão. Pelo menos para carnes, peixes e frutos do mar para manter a mesma qualidade constantemente. Certas coisas podem ser trazidas, como verduras, porque só se encontram no produtor na época, mas para carnes, peixes e frutos do mar ainda não estamos na Europa.

Restocracia: Quanto a Internet usa você no seu trabalho?

Chef Jospeph Hadad: Eu uso muito raramente. Minha geração não se beneficiou dos computadores, mas ainda precisamos usá-los. Quando tenho tempo, cerca de uma vez por semana, vou à internet e vejo o que acontece em restaurantes como Amador (Alemanha), Joel Robuchon (Tóquio), Pierre Gagnaire, etc., para ver quais são as tendências. No passado não existiam telefones celulares ou internet e você não sabia o que estava acontecendo, mas agora, sendo capaz de se comunicar, você pode olhar para eles e ver em que nível você está.

Existem chefs romenos muito bons, mas todos se foram. Existem chefs romenos muito bons que podem trabalhar em restaurantes com estrelas Michelin, diz Joseph Hadad, mas eles se foram porque não havia restaurantes e proprietários de alto nível que lhes dessem a oportunidade de crescer. E eles continuaram indo para Londres, Japão, Austrália, etc.

Quem disse que agora não há bons chefs romenos! Quando vim em 1996 não havia bons cozinheiros, mas agora não podemos dizer isso. Nos últimos 7 anos o nível aumentou muito.

A geração atual é muito avançada porque se beneficia da internet, da comunicação, de todos os meios técnicos de informação.

O meu medo é - até disse numa entrevista recente - que daqui a 50 anos quando as pessoas vierem ao restaurante consumirem comprimidos, de bom gosto, talvez carne, peixe, etc., mas comprimidos!

Restocracy: Cum vedeti dumneavoastra responsabilitatea pe care marii bucatari o au in promovarea si implementarea unui stil de viata sanatos? Ca faceti dumneavoastra in acest sens?

Chef Jospeph Hadad: In primul rand, cand creez meniul trebuie sa fie un echilibru intre gramaje, intre legume si carne, sa fie sanatos, sa fie hranitor. La ora actuala, nu mai lucram atat de mult cu smantana, asa cum se facea inainte. Acum folosim mai mult uleiul de masline, legumele le preparam la abur, pentru ca mancarurile sa fie mai sanatoase, iar gustul lor sa fie mai pregnant.

Incerc sa fie echilibrat si gustos, dar nu asa de mult procesat!

Restocracy: Care sunt cele mai mari provocari profestionale pe care cineva le are dupa ce a devenit un mare bucatar?

Chef Jospeph Hadad: Pe mine ma motiveaza cand vin si vad staff-ul meu si ii vad fericiti si dornici de noi provocari. Acest lucru imi da mie putere si ma provoaca sa ii invat mai multe si sa descoperim si mai multe lucruri. Cand ai o stare de tristete, mai bine nu mai vii in bucatarie!

Motivatia mea vine din dorinta si determinarea lor de a face lucruri noi, iar de acolo imi vine si mie dorinta si puterea sa mergem catre alt nivel. Iar eu ii simt ca vor sa traga sa asimileze de la mine mereu mai multe informatii si lucruri noi.

Restocracy: Care sunt actiunile pe care le intreprindeti pentru a-i dezvolta pe cei care lucreaza cu dumneavoastra? V-ati dori sa va implicati si in alte proiecte cu acelasi scop? Daca da, care ar fi acestea? Ce ati mai face suplimentar?

Chef Jospeph Hadad: Chiar acum, in luna decembrie, unul dintre chefii de la noi, Dragos Eftimie va merge intr-un stagiu de pregatire de 10 zile la doua restaurante renumite din Israel. El lucreaza cu mine de 13 ani, de pe vremea cand eram la Casa Vernescu. El a ajuns la un anumit nivel cu mine, el conduce restaurantul Joseph, ca Head-Chef, dar si eu sunt langa ei, alaturi de Valentina Radu. Dar de 3 luni ei doi conduc lucrurile acolo si a venit momentul sa il trimit la aceste restaurante sa faca un stagiu pentru a schimba un pic mediul si motivatia. Ulterior, restul bucatarilor vor dori si ei sa mearga, vazand ce am facut cu el.

Trebuie neaparat sa iasa! Si eu, cand aveam 25-26 de ani, mi-am dorit sa plec afara. Si s-a si intamplat. Ideea este sa dai motivatia tinerilor pentru ca ei sa-si doreasca sa creasca. Cu mine, ei pot invata multe, dar cand merg in alte locuri, acolo lucreaza cu alti oameni, alte mentalitati, alte bucatarii, alte preparate.

De la o asemenea plecare de 10 zile e bine si numai sa invete el 2-3 preparate, tehnici sau organizarea, si i se va deschide mintea. In acest moment am eu emotii mai mari decat are el!








Caju by Joseph Hadad au ajuns unde le este locul

Mie mi se pare ca acum au mancare mai buna cei de la Caju, si asta se vede si in evolutia crescatoare a notelor pe care le-am dat de-a lungul timpului. Doar ca sa dau un exemplu, vanata a fost foarte buna, caracatita excelenta, pastele cu trufe la fel. Painea foarte buna si ea, sosurile – o raritate in restaurantele bucurestene – mult mai bune decat primele pe care le-am mancat la ei.

Serviciul a fost foarte bun la mine si prost la altii. Daca s-ar fi ocupat de mine niste specimene de chelneri pe care i-am vazut la alte mese, sigur ma certam cu ei. Dar, asa cum am spus de fiecare data, Joseph Hadad e un mare chef, dar nu prea stie ce e acela serviciu. In rest, toate bune si frumoase la Caju… (GB – iunie 2019)

Jumatate de fine dining la Caju, insa nici nu e nevoie de mai mult

A treia oara la Caju, dupa un an de la ultima vizita. Restaurantul arata la fel de bine, am tot scris despre asta in articolele trecute, nu mai revin.

Mancarea mi s-a parut ceva mai buna decat data trecuta, i-am repus in Lista restaurantelor cu bucatarii fine, de unde ii scosesem dupa ce am mancat ceva despre care sper ca Joseph Hadad nu stia ca a ajuns in farfuria unui client. Hadad face exces de frunze de salata si de frunze si rosii crude, in general, pentru decor, nu au amuse bouche, desi timpul de asteptare e destul de lung. Nu e adevarata bucatarie fina la Caju by Joseph Hadad, dar e aproape si, oricum, am avut aceleasi dubii si la alte restaurante care au ajuns totusi in aceasta lista.

Acum am luat Calamari a la plancha, nu cine stie ce, cu biscuit de parmezan si mozzarella tempura (asta a fost buna), o caracatita la gratar cu sos, buna aceasta, si un kafta de vita, tahini si rosii coapte cu ierburi, kafta excelenta, restul mai putin. Painea foarte buna, intr-adevar, la fel si cafeaua.

Serviciul a fost inca si mai bun decat la ultima vizita la Caju, desi ma asteptam la mai rau, vazand multiplele comentarii negative de pe Internet. Insa am dat la intrare de o fata foarte sigura pe ea si cu replicae, apoi un chelner foarte amabil si placut, rabdator si atent in ciuda eforturilor mele asidue de a-l enerva. Terasa plina, ca de obicei. Preturile normale, poti manca bine cu 300 de lei in doi, daca nu esti prea mofturos, si cu cate un pahar de vin.

Caju by Joseph Hadad e un restaurant de referinta al centrului orasului, in primul rand, dar si al Bucurestiului, desigur. Si jumatatea aceea de fine dining, cu … (citeste tot)

Bucataria lui Joseph Hadad la Caju




Salonul si terasa Caju







Joseph by Joseph Hadad, unul dintre stalpii din Bucuresti ai Haute Cuisine originare

Da, am revenit la Joseph de cateva ori, insa nu am scris de fiecare data, pentru ca nu e mai nimic nou de spus despre restaurant si despre marele lui Chef. Saloanele arata impecabil, foarte curat si bine intretinut, amenajarea foarte bine facuta, potrivita si cu zona, si cu specificul restaurantului, si cu imaginea lui Joseph Hadad. Mancarea e foarte buna, si ar putea sa fie inca si mai buna daca ar vrea asta, pentru ca Chef Hadad stie bine ce e de stiut in Haute Cuisine clasica. Nu pare sa vrea sa se bage si in noile bucatarii creative care sunt acum pe varful valului. Nu ca nu ar fi destul de creativ si curios pentru asta, ci pentru ca, daca toti marii chefs ar face asta, am incepe sa pierdem contactul cu Grande Cuisine clasica. Si chiar ca ar fi pacat… (GB – august 2019)

Hadad, cel mai vechi mare bucatar de bucatarie fina din Bucuresti

Pe Joseph Hadad il stiu de foarte multa vreme, de pe cand era chef la Casa Vernescu, in vremurile ei cel mai bun restaurant din Bucuresti, pentru o buna bucata de timp. Cum Joseph Hadad a devenit un brand intre timp, cand s-a inchis Casa Vernescu niste investitori i-au propus sa-i faca un restaurant chiar cu numele lui – ceea ce s-a si intamplat.

Au luat o casa foarte frumoasa in cea mai scumpa parte a Bucurestiului, intre Kiselev si Bulevardul Aviatorilor, au renovat-o complet, si i-au spus restaurantul Joseph, by Joseph Hadad, cu repetitia din nume menita sa sublinieze esentialul. Nu e mare casa din zona cu case scumpe. Are trei saloane destul de mici la parter, iar la etaj un fel de mansarda, cred, foarte frumos amenajata, insa in care nu am vazut vreodata pe cineva. Clientela femeiasca, in special, refuza sa urce acolo, pentru ca trebuie sa se catere pe o scara circulara deschisa, extrem de ingusta si de abrupta, si nu vor sa arate oricui nearatabilul in public.

Terasa lui Joseph Hadad e foarte frumoasa, mare, are si o pergola acoperita in margine. Daca ar fi avut si un singur copac, macar, si niste mese si scaune ceva mai elegante, i-as fi pus si acolo nota maxima.

Joseph Hadad e un bucatar international,

si meniul lui e la fel. E umblat prin lume, creativ, stie cam tot ce e important de stiut intr-o bucatarie fina, asa ca ii este usor sa faca orice. Sunt sigur ca ar putea sa faca si un meniu de nota maxima, si asa ar iesi daca ar sta el in bucatarie ca sa gateasca. Insa nu cred ca si-a propus asta, si-or fi facut ei niste calcule si au ajuns la concluzia ca aceasta este formula optima, cu mancare buna si foarte buna, insa nu de adevarata Grande Cuisine, ca sa poata sa tina preturile sub control, si sa-i ramana si ceva timp liber lui Joseph, sa nu trebuiasca sa prinda radacini in bucatarie, la varsta si, mai ales, la faima lui.

Serviciul e bun, chiar daca multi chelneri de acolo nu au vreun instinct de client service sau vreun zambet cat de cat natural. Preturile sunt mari la Joseph, o masa in doi, cu o sticla de vin bun, iti scoate pe nesimtite 500 de lei din portofel. Insa nu cred ca te simti inselat, nu sunt cele mai mari din oras si, oricum, mancarea e printre cele mai bune, daca nu chiar cea mai buna din aceasta categorie a bucatariei internationale.

Joseph by Joseph Hadad e, in momentul in care scriu, in fruntea Listei Restocracy a marilor restaurante din Bucuresti, daca nu luam in calcul un restaurant cu specific pescaresc, cu care nu se poate compara, totusi, fiind lucruri complet diferite. Asadar, daca va cere cineva sa-l duceti la cel mai bun restaurant cu mancare fina din Bucuresti, nu riscati prea mult daca ii propuneti Josep by Joseph Hadad. (GB – martie 2017)


Cosulet de parmezan umplut cu pilaf cu sofran

Nu mananc des pilaf asa ca de cate ori il fac incerc sa il prezint sub diverse forme. Azi l-am servit in cosulete de parmezan care pe langa pilaf merg umplute cu orice. Cel mai mult imi place sa le umplu cu diverse salate in timpul verii cand nu prea avem chef de mancaruri elaborate.

Ingrediente pilaf:

  • orez
  • supa
  • piper boabe
  • sare
  • unt
  • sofran

Ingrediente cosulete (gramaj pentru un cosulet):

  • 35 gr parmezan sau pecorino romano (nu se poate folosi alt tip de branza)
  • un varf cutit pesmet

Orezul il spalam in mai multe ape pana cand eliminam tot amidonul si apa iese curata, dupa care il punem la calit in putin unt pana devine translucid. Adaugam supa treptat pana ce orezul este complet patruns. La sfarsit adaugam putin sofran dizolvat in apa care ii da o culoare galbena tare placuta si o parte din bucatelele de pui din supa.

Acum fericitii posesori de cuptor pot baga pilaful la cuptor pentru 15 minute dupa care e tocmai bun de servit.

Intre timp preparam cosuletele astfel:

Parmezanul il dam pe razatoarea mica si il amestecam cu varful de cutit de pesmet (pesmetul nu e obligatoriu insa folosindu-l vor iesi sigur cosuletele)

Incingem o tigaie de teflon si in momentul in care s-a incalzit bine, adaugam parmezanul in tigaie si il netezim rapid de tot.

In cateva minute (2 minute) incep sa se rumeneasca marginile, moment in care cu ajutorul unei spatule de lemn luam parmezanul din tigaie si il rasturnam pe un pahar intors cu gura in jos,

Il modelam cu mainile cat inca este fierbinte (arde putin dar nu foarte tare) si il lasam cateva minute pe pahar pana se raceste dupa care il scoatem pe o farfuri,

Il umplem cu pilaf, pudram din nou cu piper daca dorim si servim alaturi de carnea de pui sau morcovei pudrati si ei cu piper.


Ratatouille rapid, orez cu sofran si Steak - Rețete

Interviu cu Retete-Bune.ro

R.B: Spune-mi cateva cuvinte despre tine!
M.M: Ma numesc Mehrzad Moghazehi si sunt nascut in Iran - Teheran pe 19 oct 1980.
Traiesc din 1991 in Romania. Sunt divortat de 1 an, am o superba fetita, care se numeste Anisa si care e exact ca numele ei. Numele ei inseamna: iubitoare. Asa e si ea. dragastoasa :)
Ea locuieste cu mama ei in Ploiesti. Motiv pentru care eu continui sa merg des in Ploiesti, cu toate ca m-am mutat in Bucuresti de 1 an.
Din 1992 de cand ne-am mutat in Ploiesti, tot sunt cu un picior in Bucuresti si cu celalat in Ploiesti. Am facut scoala si am lucrat in Bucuresti cu ani in urma.
Asa cum stiti pasiunea mea este gatitul, dar mai am si alte pasiuni. Fotografia si salsa :)
Momentan sunt reprezentant de vanzari la Aquatulip, o firma unic importator si distribuitor al produselor ULUDAG, marca nr 1 in Turcia. Cea mai buna limonada din Turcia :)

R.B: Ce face Mehrzad in viata de zi cu zi?
M.M: Ziua mea la munca trece facand 50-100 km pe zi prin Bucuresti, deci majoritatea timpului il petrec alergand prin oras, interactionand cu oamenii. In plus, am inceput sa am si evenimente culinare.
Eu si cativa cativa colegi de la MasterChef organizam cat de des putem show-uri & evenimente culinare. Asa ca daca vreti sa va gatim, ne puteti contacta.

R.B: Ce alte hobby-uri ai in afara de gatit?
M.M: Asa cum am spus si mai sus, fotografiatul si salsa sunt celalalte pasiuni ale mele. am inceput cursurile de salsa deja )

R.B: Dupa participarea ta la MasterChef Romania, ce s-a schimbat in viata ta?
M.M: Dupa masterchef mi s-a schimbat viata in mai bine. Mi s-au deschis mai multe usi, oamenii care m-au admirat ma felicita si imi ureaza toate cele bune, cea ce ma bucura foarte mult. Cred ca pot sa zic ca am fani, alt motiv bucurator.
Oamenii imi stiu numele, ma striga pe strada sau ma saluta. Si aici vreau sa spun si ce inseamna numele meu, ca eu chiar ma mandresc cu numele meu care in Iran e un nume special, deoarece e si nume de fata si nume de baiat. Mehrzad inseamna: Nascut din dragoste. Si eu in calendarul Iranian sunt nascut in luna “Mehr”, ceea ce inseamna “Dragoste” !
Noi persanii si Indienii piei rosii ce mai avem nume de genul asta :)

R.B: Ce reprezinta gatitul pentru tine?
M.M: Deoarece gatitul imi aduce bucurie, vreau sa ma dedic in totalitate bucatariei si sa ajung la preformante mari. Am niste planuri, pe care abia astept sa le pun in aplicare.
Lucrez deja la niste proiecte, singur sau cu colegii de la MasterChef.

R.B: In ce relatii ai ramas cu colegii tai de la MasterChef?

M.M: Cu toti colegii de la MasterChef am ramas in relatii bune. Cu Alexandru Cirtu vorbesc zi de zi si ne vedem des, pentru ca lucram la mai multe proiecte impreuna, si cu Iris Lungu si Cristian Papusoiu am participat la Concursul de gatit in aer liber la Arad, unde am obtinut si cateva medalii si diplome. Cu Petru Buiuca am avut un eveniment si mai vorbim si la telefon. Si cu majoritatea celorlalti vorbesc la telefon sau pe facebook.

R.B: Cine este modelul tau in bucatarie? De la cine te inspiri cand vrei sa gatesti ceva?

M.M: Model in bucatarie? Sincer, nu cred ca am un model, incerc sa fiu unic )
Imi place foarte mult de Gordon Ramsey, Joseph Hadad, am un prieten Chef in Turcia cu care sper sa colaborez in viitor, el se numeste Suleyman Engin si e unul dintre cei mai buni Chefi din Turcia.

R.B: Ce fel de preparate culinare preferi sa gatesti? ( Supe .. deserturi.. etc.)
M.M: Ce imi place sa gatesc? Nu stiu daca am ceva preferat. am momente. In mare, imi plac toate felurile. La desert inca nu pot spune ca sunt experimentat si foarte bine antrenat. Desertul a fost spaima mea si a multor colegi de la MasterChef.

R.B: Pentru cei care citesc acest interviu, poti sa le impartasesti o reteta de suflet?
M.M: Pentru ca am intrat la MasterChef cu reteta mea de Orez basmati cu pui si condimente, si mi-as dori ca multi sa invete sa gateasca orezul basmati, o sa impartasesc pentru cititori, cateva retete cu orez basmati.

Orez basmati
Totul despre orez-ul basmati !
Mod de preparare la aburi - stilul Iranian de preparare a orezului!

Orezul basmati Indian este cel mai bun orez, si il puteti cumpara din magazinele orientale, evitati orezul basmati din carefour ca e cel mai prost orez basmati.
Orezul basmati bun, se mareste pana de 3 ori in volum, adica daca faceti 2 cesti de orez, poate ajunge dupa preparare la 6 cesti.

Prima data spalam orezul cu apa calaie intr-un castron, cu 4-5 linguri de sare grunjoasa, o sa vedeti ca apa o sa fie tulbure, nu frecam orezul tare ca sa nu se rupa boabele. Spalam orezul in 3-4 ape, doar prima data punem sare grunjoasa. Cel mai bine ca orezul sa ramana cel putin 4-5 ore dupa spalare in apa, dar se poate face si imediat dupa spalare. Dar daca va sta in apa, va prinde in volum si va fierbe mai rapid.

Punem apa intr-o cratita teflonata (orezul basmati in stil Iranian la aburi se face in cratita teflonata ca sa nu se lipeasca ) apa trrebuie sa fie mai multa, in functie de cat orez punem, oricum apa o sa o aruncam dupa ce fierbe orezul. Cand apa incepe sa fiarba, punem 2 linguri de sare, 2-3 linguri de ulei si scurgem apa din castronul unde este orezul si punem orezul in apa care fierbe, si amestecam cu lingura de lemn usor si lasam sa fiarba la foc mediu.

Cel mai important este cat fierbem orezul, bobul de orez trebuie sa fie fiarta dar miezul trebuie sa fie inca tare, asta este secretul la orez, trebuie sa gustam bobitele de orez din cand in cand, oricum nu trebuie prea mult timp sa fiarba, 10 minute aproximativ. dar de la orez la orez difera si timpul de fierbere.
Cand orezul este fiert rasturnam orezul si apa din cratita intr-o sita fina si strecuram orezul, il clatim odata cu apa calaie si lasam sa se scurga apa. in acest fel, orezul mai pierde din amidon, si orezul astfel preparat la aburi, se mai ingrasa mai putin.
Intre timp spalam cratita teflonata, punem pe foc, adaugam ulei cat sa cuprinda tot fundul cratitei, dar strat foarte subtire, si putem folosi lipie libaneza, sau cartof, curatat si taiat felii subtiri cu grosime de 5 mm, si asezam feliile la fundul cratitei, sau taiem lipia in bucati mai mici si asezam pe fundul oalei, asta ca sa nu irosim orezul si sa nu se arda/prajeasca mult, dar putem pune si direct orezul, asa vom avea stratul de desubt prajit. partea asta se numeste TAHDIG, adica fundul oalei in traducere exacta si este o bunatate.

Dupa ce am asezat feliile de cartof sau lipia, dam focul la minim ( pe ochiul mijlociu sau mare a aragazului) punem orezul din sita, in cratita si ridicam orezul din laterale spre centru si cream un munte de orez, apoi pe capacul cratitei punem un prosop curat si punem peste cratita ( punem un prosop pe masa, asezam capacul cratitei cu manerul in sus si punem surplusul de prosop peste capac unde e manerul si legam cu ceva ca sa nu cumva sa cada si sa ia foc).
Cratita cu capacul invelit in prosop trebuie sa stea pe foc la minim timp de 30-45 minute asta in functie de cratita folosita! Daca folosim o cratita medie de vreo 20-30 cm diametru ne trebuie cam 30 minute, asta o sa va dati seama dupa ce faceti de cateva ori. Ideea e ca nu trebuie sa ridicati capacul timp de 30 minute, si dupa cele 30 minute, gustati, orezul trebuie sa fie bob cu bob, si pentru gust putem sa adaugam unt topit la sfarsit peste orez, sau daca o sa fie orezul foarte uscat, se poate stropi cu ulei.

Asa se prepara orezul basmati simplu care se poate servi cu diferite sosuri!!

Se poate folosi si sofran astfel: pistilul de sofran se piseaza si se dizolva intre o cantitate mica de apa fierbinte, o lingura de apa cu un varf de sofran, si dupa ce topim punem cateva linguri de orez din cratita si amestecam pana orezul ia culoare si aroma sofranului, si putem folosi pentru decor partea cu sofranul.

Orezul se poate prepara si cu un amestec de vredeturi uscate pt orez ( sabzi poloyi - asta in persana ) ( care le gasiti in Bucuresti la magazinul ZAM ZAM, specific iranian, unde gasiti si sofran si orez si tot ce este din Iran si Orient, magazinul este pe Mosilor, De la Obor prima trecere de pietoni, in stanga, pe colt, vis a vis de magazinul tatal & fiul ) sau putem folosi marar uscat, si se face astfel:

Cand punem orezul in oala dupa ce l-am fiert si l-am scurs asa cum am zis mai sus, punem peste cartofi sau lipie un strat de 2 cm de orez, apoi o lingura 2 de marar uscat/amestecul de verdeturi uscate , iar stratul de orez apoi verdeata si tot asa pana sus. stratul deasupra trebuie sa fie orez simplu, si tot asa forma de munte sa aiba orezul si apoi pus la aburi timp de 30-45 minute.
Orezul cu verdeata se serveste cele mai multe ori cu peste.

Se poate prepara si cu carne astfel:
Preparam orezul cum am zis mai sus si lasam la scurs. Carnea de pui sau vita se fierbe, se taie fasii sau cubulete, se caleste ceapa taiata julien, se pune si carnea fiarta si taiata cuburi si sa caleste cu ceapa putin, se adauga sare si se da gust. Se poate folosi si linte verde la acest preparat, se fierbe lintea verde in mai multe ape ca fasolea, si sa lasa deoparte la scurs dupa ce este fiarta.

Se poate folosii si dupa plac stafide. stafidele si lintea sunt optionale. Dupa ce avem cele mai sus mentionate gata, punem stratul de tahdig ( lipie sau cartofiori ), punem un strat de 2 cm de orez din strecuratoare, apoi carnea, lintea si stafidele in strat subtire, si adaugam si amestec de curry ( si asta puteti achizitiona din magazinul iranian si se numeste ADVIYE KARI si este un soi de curry din iran care se foloseste la orez ) sau mai puteti folosii amestecul de 7 piper, care il gasiti la magazinele orientale ) si apoi iar un strat de orez de 2 cm si repetam in mai multe straturi pana sus, stratul deasupra intodeauna trebuie sa fie simplu, si apoi capacul cu prosop si pus la abur!


Ratatouille rapid, orez cu sofran si Steak - Rețete

Deja îmi cunoaşteţi pasiunea pentru paste proaspete (mulţumesc maşinuţei Imperia), pe care încerc să le combin cu diverse sosuri, cât mai rapid de făcut. Aşa că, în timp ce fierbeţi pastele, nu e nimic mai uşor de preparat decât un sos cremos şi fin cu şofran, în care aruncaţi câţiva creveţi. Pentru că asta înseamnă pastele până la urmă, nu? O masă de pregătit în 15 minute, dar ale cărei arome să vă bucure şi să vă surprindă întocmai ca ale unui preparat elaborat.

250 grame tagliatelle proaspete

250 grame creveţi decorticaţi

1/4 linguriţă fire de şofran

400 ml smântână dulce pentru gătit

1/4 linguriţă piper alb măcinat

Şofranul se pune la înmuiat în vin şi se lasă să infuzeze.

Creveţii curăţaţi se călesc în unt 2-3 minute, până devin roz. Se adaugă smântâna dulce şi se dă într-un clocot.

Se strecoară şofranul, iar vinul infuzat se adaugă în smântână. Se potriveşte de sare.

Între timp, tagliatellele proaspete se fierb 2-3 minute în apă clocotită. Se scurg şi se adaugă peste creveţi şi smântână. Se mai lasă un minut şi se opreşte focul.

Se lasă să se răcorească 2-3 minute înainte de a le servi.

Preparatul se poate pregăti şi cu alt tip de paste, fettucine sau chiar spaghetti, proaspete sau uscate.


Video: Ratatouille Chapter 3 Streets Of Paris No Commentary (Janeiro 2022).